Manuela Veloso, PhD

ISCAP-P.PORTO
manuelarveloso@gmail.com

Professora Adjunta no ISCAP/IPP (Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto/

Instituto Politécnico do Porto), onde exerce funções desde 1988, lecionando Tradução Técnica e Literária (Alemão/Inglês – Português) e integrando a direção do Mestrado em Tradução e Interpretação Especializadas.

É membro integrado do ILCML (Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa/ FLUP).

Licenciou-se em Línguas e Literatura Modernas (Inglês/Alemão) na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1984. Obteve o grau de Mestre em Língua e Literatura Inglesas, na Universidade do Minho, em 1994, com a dissertação O Vorticismo literário em Enemy of the Stars” de Wyndham Lewis – Ressonâncias do Absurdo. Doutorou-se em Literatura Comparada na Universidade do Minho, em 2008, com a tese Poéticas Visuais e Textuais nas duas primeiras décadas do século XX. Casos paradigmáticos nas Vanguardas de Expressão Alemã e Inglesa: Wassily Kandinsky e Ezra Pound, Else Lasker-Schüler e Wyndham Lewis. Este trabalho, distinguido, em 2009, com um prémio para publicação pela DGLB (Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas), sai sob o título Poéticas Visuais e Textuais no Expressionismo e no Vorticismo (Porto: Politema, 2010) e incide na questão da dupla-vocação na pintura e na escrita, bem como da confluência da teoria e da criação artísticas num mesmo autor. Em 2000 foi membro cofundador do projecto de divulgação da moderna literatura portuguesa – forçasamadas, em cujos recitais colaborou através da selecção e da produção de textos, bem como da respectiva dramaturgia, com vista à articulação da literatura com as outras artes. Tem publicado diversos artigos em revistas nacionais e estrangeiras, com especial enfoque na abordagem intermedial e intermodal da Identidade no Modernismo Europeu, embrionário de novas possibilidades percetuais na exegese textual e socio-ambiental, tais como desempenho textual, teorias da produção e da receção, de um ponto de vista cinestésico e percetual em interface com uma semiótica global.